Republico aqui um texto da Ana Primavesi. Um dia germinei umas berninhas em meu corpo e não tinha uma boa receita, quem sabe esta dá certo, mas prefiro não precisar novamente ahahah

O bicho-berne é a larva de uma mosca, a “berneira”, que geralmente deposita seus ovos em outras moscas e que depois depositam as larvinhas em animais.

Em animais suscetíveis, furam a pele e se nutrem de seu sangue até que deixam o animal para se empupar na terra.
Estes calombos de berne coçam muito e podem fazer o gado emagrecer bastante.

Em São Paulo e Minas Gerais usa-se nas fazendas frequentemente uma mistura de:

  • 90 g de fumo de corda deixados em 1 litro de água durante a noite
  • 15 g de Neguvon
  • 10 litros de óleo queimado (do carter)

Tem de ser muito bem misturado e durante o uso vigorosamente mexido porque água e óleo não se misturam. Passa-se essa mistura sobre os calombos de berne no gado mediante um pano enrolado num pau. As larvinhas do berne saem logo em seguida. A vantagem é que a concentração de Neguvon é bem menor e a adesão à pele é melhor.
Para gado de corte pode-se misturar ao sal, para cada 100 kg, 800 g de flor-de-enxofre. Os animais ficam sem berne. Em gado de cria não pode ser usado porque prejudica o feto ou causa aborto.

Mas existe uma armadilha para capturar as moscas-berneiras. Se houver uma infestação muito grande de moscas-berneiras e moscas varejeiras em potreiros-maternidade ou chiqueiros, colocam-se armadilhas. O modelo foi desenvolvido na Universidade de Jaboticabal-SP.

Pega-se uma lata de aveia, leite em pó ou óleo de cozinha e abre-se em cima. No fundo cola-se um pauzinho quadrado de 2,5 cm de grossura e corta-se ao lado deste “estradinho” uma entrada de 2,0 cm de largura e 0,7 cm de altura. No “estrado”fixa-se um pedaço de carne com um alfinete. Agora fecha-se a lata com um funil de papelão ou lata e amarra-se por cima um saco plástico. As berneiras são atraídas pelo cheiro de carne que apodrece, mas como a luz entra por cima, tentam sair por ali e ficam presas no saco plástico.


0 comentário

Deixe uma resposta